sábado, 14 de agosto de 2010

aproximação

deixa-me entrar, assim, devagarinho. prometo que não te perturbarei. deixa-me sentar a este canto. não tenho mais de mim. fecho os olhos e sinto o prazer da tua presença. não, não digas nada. não quebres o silêncio. não quero falar. os meus sentimentos são agora gestos. dizer-te no rosto, nos olhos, o que sinto, seria apelar a um gesto teu, a uma carícia, a um momento de calor. sempre sonhei com este estar aqui, a sós contigo. aproximas-te de mim, tocas-me, estremeço e hesito. não tiras a mão. toco-lhe e ela envolve-me. cedo e sinto a pressão do mais que se deseja. envolve-me. sem mácula; se houver desejo, ele virá. aproximas-te…

e não sei se quero. não sei se resisto. não quero resistir.

Alma

3 comentários:

Anónimo disse...

Belo... sensual... o fogo da Alma.
...não sei se resisto... não quero resistir!

Sandra disse...

sempre sonhei com este estar aqui, a sós contigo :)

é um prazer ler a Alma! Escreve cada vez melhor.

Sedutora e envolvente. Quente!

Muito bom.

Grata pela partilha

ANA PAULA disse...

Lindo, sensual, verdadeiro, com muito sentimento. É o estilo de escrita que me dá prazer ler.
Parabéns e espero voltar!!