quinta-feira, 21 de outubro de 2010

apetecem-me


Apetecem-me as tuas mãos sobre as minhas ancas.

Centro de mim, pendular, rendido a esse contacto do teu corpo contra o meu, trepando por mim, resvalando, subindo e descendo de novo em curvas e contracurvas, em circunvalações e baixios.

Afunda-me e penetro-te em pele, encontras-me e entrego-te o abismo que sou e tenho...

Loucura e Paixão…

Tudo se reduz a esse centro de mim, onde me divides, onde me uno a ti, onde consolidamos o Todo de sermos dois.          Alma

4 comentários:

Sandra disse...

Uma delícia deliciosa!

Mais um momento belíssimo e cheio de sensualidade da Alma.

Obrigada por partilhares :)

Florbela Amada disse...

apetecem-me as tuas mãos sobre as minhas ancas:)

antoniomaia disse...

Florbela, apetecem-me as minhas mãos nas tuas ancas ahahahah estou a brincar, naturalmente. Apetece-me muito é que as pessoas venham ler os poemas expostos :)
obrigado pela visita e pelas palavras

antoniomaia disse...

Sandra, não há nada mais a dizer sobre a poesia de Alma, é uma mulher com muita sensibilidade e poesia.
Obrigado pelo comentário