quinta-feira, 11 de novembro de 2010

as tuas mãos que eu penso

fala-me das tuas mãos, da sua brancura, da sua suavidade quando exploram pele desconhecida... de como correm lentas, de curva em curva, de poro em poro, como crianças felizes brincando ao fundo do jardim, desejosas da descoberta de terreno inexplorado...

como gosto dessa calma... sinto-as suadas na ansiedade contida, deslizando enquanto saboreiam cada parte de mim... e eu, em deleite, passo a língua pelos lábios secos de dormência e prazer.

e avanças, sempre calmo e suave, contornas-me os ombros, a curva do pescoço, o rosto até à boca que, em delírio de dentes, te morde os dedos um a um.

prendo-as. olho-te no fundo dos olhos com que me desejas e invado-te com as minhas. seguro-te. sonho domínio, subo e desço por ti com toda a vontade que tenho, fazendo do meu corpo as minhas mãos. quero tudo e as minhas são demasiado pequenas...

lentamente... tão bom este sentir em pormenor, também nos teus olhos que sorriem, na tua pele que se arrepia e se crispa à minha passagem, em gestos lentos e felinos.

e serão elas de novo, no teu acordar, esperando-te com a refeição da manhã. sentam-se ao teu lado, partilham o momento contigo e seguem-te para onde fores, seguras às tuas. leva-as para onde as queiras levar.

são eu em ti, aquecendo-te o corpo e a alma.

Alma

2 comentários:

Sandra disse...

"A minha pele crispa" à leitura deste texto... Lindo, lindo, lindo!

Tão envolvente, terno e doce!

E as minhas palavras são demasiado pequenas para descrever o que senti com esta leitura...

"E as minhas mãos são demasiado pequenas..."

A Alma emana poesia e sensualidade! Grata pelas emoçoes que me desperta! Grata pela partilha.

Florbela Amada disse...

Querido António, depois de ler varias publicaçoes deste blog apetece-me meter-me contigo! ahahah

Quero as tuas mãos saboreando cada parte em mim! ahahah

Nada disso, apenas estou desperta pelo que li!ahah Brinco... A culpa é do Abdul! ahaha

Um beijo, amigo.

Está muito gostoso...