terça-feira, 2 de novembro de 2010

"quando os olhos se me cerram de desejo..."

Richard YOUNG

"Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti... "

Florbela Espanca


2 comentários:

antoniomaia disse...

"se tu viesses ver-me hoje à tardinha"

que lindo, Sandra!
é o momento do dia que mais me sossega, lusco-fusco, crepúsculo, noitinha... as pessoas, as mesmas pessoas ficam mais calmas e disponíveis...

"é como um cravo ao sol a minha boca..."

Enfim, mais um soneto maravilhoso, escrito pela minha alentejana preferida :)

Obrigado Sandra por teres trazido a este nosso espaço mais um momento de magia pura, belo poema, bela imagem.

Obrigado!

Florbela Amada disse...

Adoro este vosso cantinho!

Desde os poemas/prosa poética da Alma, do Abdul e da Vanda, aos autores consagrados... Tudo com muita sensualidade, paixão e erotismo! Uma ode ao amor, à ternura, à paixão, aos encontros e desencontros... aos amantes!

Não me levem a mal mas o meu preferido é o Abdul! ahahah

Voltarei :)

Florbela