quarta-feira, 24 de novembro de 2010

vem, meu rio de sensações...

vem, meu rio de sensações, cavalo louco a trote pelos meus sentidos.
                  sinto-te transbordante pelas margens do meu  corpo, transpirando  em mim, fazendo-me resvalar por ti, minha fonte de prazer.

e eu Mulher fluida no rio de prazer em que te escoas, sinto-te profundo em mim, suspirando, ofegante, nesses rápidos de prazer que nos projectam pelo outro, que nos  arrastam em desordem pelo leito sem norte, tu proa, eu ré, tu ré na minha proa.

                                               e de sentidos perdidos, quais sensações únicas do prazer por  dar prazer, encontramo-nos, uníssonos, nesse porto mais além, mais fora do horizonte, onde chegamos sem desejar voltar.         Alma

1 comentário:

Sandra disse...

Belo! Um prazer de leitura:)

"onde chegamos sem desejar voltar"

Parabéns à Alma que tão bem escreve!

Obrigada António, por partilhares:)

Também adoro a imagem! Linda!