sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

rendição

... tu aqui, à minha porta...


sem sorrisos, sem uma palavra. entras com a mesma naturalidade de sempre, a da certeza da conquista, do sentimento...

fico em silêncio, fixa no teu olhar. enlaças-me pela cintura e puxas-me para ti. não resisto, a minha cintura cede, o meu corpo rende-se...

mergulho no teu peito e inspiro a ternura quente da tua camisa, das formas que ela esconde e que eu adivinho, que torturo nas minhas mãos, marcantes...

não te abraço... quero ser apenas cedência, vontade oculta, não to dar a saber.

os teus dedos mergulham no meu cabelo, inspiram-no, sentem-no, puxam-no, aproximo-me...

os teus lábios respiram sobre os meus e eu retenho-os entre os meus dentes. trilho-te em vontade, humedeço-os suavizando a dor. e, nesta troca de humidades, sinto a roupa que desliza de mim, arrastando a contenção...

e fico assim, livre, em entrega completa e rendição. 

Alma

2 comentários:

Sandra disse...

A leitura desta lindíssimo texto acompanhada pela música do Sassetti fez-me viajar...

Tão alto!

Obrigada meu amigo pela partilha

Obrigada à Alma!

Sandra disse...

ah, e adoro a imagem :)