quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

contigo sem medo


E um dia não terei medo. Seguir-te-ei sem memória deste caminho, deste desenlace.

E beijarei as flores que me deres, as que colheres, as que cultivares para mim. As que me desenhares no guardanapo do pequeno-almoço.

Isso, abraça-me, jura-te, não me apagues ou iludas.

Alma

1 comentário:

Sandra disse...

tão lindo!

sem medo:)