terça-feira, 25 de janeiro de 2011

nós, em fragilidade... ou não!


circunstanciados, arreigados, dispostos pela nossa fragilidade nesse ritmo alucinante e em espiral dos nossos medos, revertemos as nossas vontades, ignoramos os olhares e os sorrisos que nos amam.

presos no voltear das nossas vontades, chegamos a acreditar que a nossa sorte, o nosso destino é essa súmula de não-vontades, expressão de uma felicidade que não sentimos, estranhos, estrangeiros, sozinhos nesse mundo, sim, repleto, mas que, no entanto, não nos completa.

porque não são aqueles os sorrisos, não são aqueles os lábios, não é nenhum daqueles o corpo-alma que esperávamos.

esse, é sempre O especial, O que chega quando não se espera, O que se se escapa se não estivermos atentos...

esse, É Aquele que sei, que me chega, que se promete em desejo e que eu apenas quero sob o desígnio do amor.

nos gestos, o desejo.

Alma

1 comentário:

Luna disse...

A Alma capta muito bem os estados de alma:)

Somos seres insatisfeitos por natureza. A frazilidade dos relacionamentos e dos sentimentos, quanto a mim, torna-os mais apetecíveis e interessantes. Querermos mais... Pensarmos que ainda não é aquela pessoa, a tal... Será que essa pessoa existe?!
Obrigada á Alma! Proporcionou-me prazer na leitura pela beleza do texto e fez-me parar um bocadinho refletindo na minha própria vida:)
Bom momento de prazer e descontração!