sábado, 29 de janeiro de 2011

A Ponte


Fala-me em surdina dessa vontade assim, de ver Alma, Coração, toda uma vida, tudo desenhado em formas arredondadas, como acompanhando as curvas da vida, oscilando, espaçando, em intervalos curtos, desejos calados, segredos silenciosos...

Repensamos quem somos, revemos quem fomos, como deixámos não querendo, como continuamos a ser noutra direcção...

De memórias, restam-me o teu rosto, as minhas lágrimas, momentos de felicidade, aqui, também.

E como a escrita me conduz, como a tua vontade me transporta, para que escreva, para que seja essa outra que te trouxe até aqui, há tão poucos meses, como uma Eternidade, com cheiro de sempre.

                                                                                     Alma

1 comentário:

Luna disse...

Fala-me dessa vontade...

E como a Alma fala bem! Adorei :)

é um prazer esta leitura!

Obrigada :)