segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Quiseras tu...

Edvard Munch
Deixa-me voltar à inocência de criança….
acreditar em fadas, duendes, num mundo de cor e fantasia,
entrar nos teus tormentos, preencher esse vazio que te consome,
vestir a tua pele se preciso for,
arrancar essa dor que te rasga, adornar de conforto os teus desejos.

Só tu não vês como te ilude, te trai e transfigura! Não vês?

Seduz-te com promessas vãs de prazeres vendidos… e aí vais tu, tal qual menino atrás do chocolate, sem resistência… Num abandono de ti, de mim…

Completamente rendido, conquistado, sorris-lhe… Embriagado de prazer, estonteado pela loucura, despojas-te de ti… Não há tempo, lugar, mundo, ninguém, só tu e ela… queres mais, muito mais…

Cobras-lhe tudo, mas o tudo é nada, meu querido… nada!

Cavou um vazio ainda maior, triplicou os teus tormentos… Vitoriosa solta uma gargalhada perante a tua miséria! E tu, curvas-te em vénia, sempre crente que da próxima te dará o que tanto anseias!

Pobre indigente, agora sou eu quem ri da vénia que te arrasta na lama!

Fora eu fada para apaga-la da tua memória… Quiseras tu…
Vanda Romeu

3 comentários:

Daniella Caruso disse...

Seu blog é m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o!!!! Esse último poema é simplesmente o espelho de uma alma desenganada e vencida pela esperança de outrora. Bjokas.

Luna disse...

Obrigada Daniella pela simpatia do seu comentário :) Volte sempre!

antoniomaia disse...

Daniella este espaço é nosso... seu.
muita força!