segunda-feira, 14 de março de 2011

o descanso da tua presença


estendes-me as tuas palavras como quem estende abraços e carícias de ternura amiga. falas sem que eu pergunte, castigas sem que eu me queixe.

o teu olhar fixo e atento segue os meu passos, distantes, equidistantes, nesse apreço de quem aprecia o que digo e sou, de que falas como se fosse único, fazendo-me sentir única. e compreendida. aceite.

espraias esse teu sentimento inato nas páginas em que te ofereces a mim e dizes-te companheiro nas dificuldades, compreensão na afinidade, cúmplice na distância do mundo.

e eu acredito porque sinto, porque vejo, porque experimento o calor de um braço passado pelo ombro, como força em presença, feiticeiro da minha vontade, do que me dói, do que não consigo esquecer ou mesmo ultrapassar.

são pedras  o que sinto contra o vidro em mim. e nele resulto-me inquebrável, resistente, apenas baço por uma qualquer lágrima que teima em cair. mas vens tu e apagas o sofrimento, determinando os meus passos seguintes.

ah! esta tranquilidade da tua presença…

Alma

2 comentários:

Luna disse...

Única a Alma! Estende a suas palavras como quem estende abraços :)

Um texto belo, cheio de doçura.

Parabéns!

Grata pela partilha.

antoniomaia disse...

É verdade Luna, a Alma é única...
obrigado pelos comentários e pela fidelização