quinta-feira, 31 de março de 2011

olhar de desejo


Olho-te como quem beija, como quem saboreia sem ter tocado, imaginando gostos mil, paladares únicos.


Viajo pelos milímetros da tua boca…


A minha língua percorre a humidade dos meus lábios enquanto te gravo no olhar a promessa de infinitos momentos de desejo consumado, de gestos abertos e firmes, de movimentos enleados em ti.


E sou tudo nesse olhar: princípio e fim, desejo e vontade, amor e luxúria...


E tu…

                                            Sorris-me, sonhando esse dia em que o teu olhar se fundirá no meu, fechando-o em êxtase e em que a minha boca desenhará um círculo em redor da tua, tocando, embebendo o teu paladar como agora o meu olhar    Alma

1 comentário:

Cármen disse...

Fantástico, António!