sexta-feira, 1 de abril de 2011

Mentiras


Sussurras-me sentimento ao ouvido, entre o sopro de gosto da tua boca e o aroma da tua pele...

Bafo quente que me chega e me fecha os olhos,

                  Voz dominada pela paixão que me estremece os ouvidos...

E estremeço também toda...

E pergunto...

                   Quem sou eu para ti?

A que sempre foste nos meus sonhos, a que quis para mim.

               ... Mas, assim?

Assim, sim, sem nome, sem rosto, sem espaço, tu, num tempo que eu sabia que chegaria.                                             Alma

1 comentário:

Luna disse...

Que mentira tão saborosa :)

Se for desta forma, bela, nem me importo que me mintam....

Mais um lindo texto poético da Alma, parabéns.

Gosto muito :)