terça-feira, 17 de maio de 2011

chamo-te e sou eco de mim

(foto)
tu que sabes o que eu quero.

                   tu, dono da chave única que me abre e me sabe,

                              em coração e Alma,

                                      em vontade e desejo.

                                                                deixas-me...

                     

                                        e eu aqui, senhora de uma tristeza sem fim,

                  recolhida nos meu sentimentos,

                                                          sem ponto de retorno, sem norte,

                   esperando que dês a volta à chave em mim

                                                               e me descubras.

(foto)
                                                   nesta intranquilidade de ser sozinha, perdida,

                    adormeço ao som da memória que tenho de ti,

                                                boca, olhar, mãos, braços de enleio e perdição.

                    e espero-te, como te esperei desde sempre… Alma

3 comentários:

Anónimo disse...

«tu que sabes o que eu quero.
tu, dono da chave «única» que
me «abre» e me «sabe»,
em coração e Alma,
em vontade e desejo....»

Que belo poema da Alma!
Que entrega...
Que sensibidade...

Luna disse...

Muito bom.

antoniomaia disse...

obrigado pelas palavras e pela visita, Anónimo!

Luna, dizes muito bom, também eu :)
obrigado pela fidelização :)