segunda-feira, 16 de maio de 2011

O que desejo de ti...

...
que as tuas mãos me vistam com as mesmas cores

                       com que me colores nas palavras que me ofereces...

não sei ainda se és ternura, se desejo, se tudo e mais ainda

 

                                                                adivinho o formato das tuas mãos pelo som da tua voz
                                                                imagino-as alegres como o teu riso
                                                                macias como a tua ternura
                                                                suaves como a tua delicadeza
                                                                firmes como quem serás

que elas sejam protecção, solo, calor, água e frescura...

                             talvez mesmo bálsamo para as dores do tempo, as minhas.

e, quando o cansaço não for mais gesto,

                                       nem desejos mas só carinho,

             deixa-me adormecer nos teus braços…

 nessa tranquilidade de quem se sente vestida ainda que nua,

                                                        protegida ainda que indefesa na pele.   Alma

3 comentários:

Luna disse...

Belo e rico! Cheio de sensibilidade e ternura! Com Alma!

Adoro!Parabéns!

"deixa-me adormecer nos teus braços…

nessa tranquilidade de quem se sente vestida ainda que nua"

antoniomaia disse...

Luna, obrigado pela tua fidelidade!
A Alma, está como nunca :) realmente

venerando-te
am

Anónimo disse...

ter o «amor» adormecido nos braços, numa tranquilidade vestida de ternura e carinho e pairando sobre os lábios um sorriso, repousante, de alegria...
como seria um bálsamo para as dores da alma nessa noite imensa...

De facto a Alma está como nunca...