quarta-feira, 6 de julho de 2011

Vem!


Não, não és o meu amor nem és meu.

És essa luz difusa que me quer, que me deseja num ritmo cadenciado, marcado pela dança dos teus sonhos.

E eu transcendo-me.

Vem!

Não hesites.

Anda e descobre-me como sou hoje.

Recosto-me na cadeira e sonho como será a suavidade dos teus braços, quase sem desejo, apenas nostalgia… De um abraço perdido, de um beijo esquecido, de uma carícia guardada.

Há palavras que nunca me disseram e que eu sonho tanto ouvir!...

Mas não, não sei quais são.

Surpreende-me!

Conduz-me ao delírio do prazer em amor, deixa-me permanecer nos teus braços, aninhada…

E mesmo que sejamos pele com pele, funde-me em ti, sem ardor.



Mas se não conseguires resistir, não deixes de sussurrar o teu desejo junto ao meu ouvido.

...                           

                               E se não tiveres de parar, então não pares.

Alma

2 comentários:

Luna disse...

A Alma brinca :) gostei da mistura :)

"Não, não és o meu amor"

Anónimo disse...

Na danca dos sonhos tudo e possivel.
A Alma encanta...
Jacqueline