terça-feira, 30 de agosto de 2011

que momento único...



olhos fixos dentro de nós,
                         sentindo o silêncio que nos invade na pele,
                                           imóveis e colados um ao outro.

 como um só, escutamos o mar lá fora contra a muralha,
                    nosso companheiro há momentos na paixão de sentir-se vivo.
                                      sobe o silêncio dos corpos ao ritmo do fumo de incenso,
                    escalando a luz breve de um  final de dia.
                                  sinto a tua respiração fervente no meu cabelo,
                                                                   soprando-o ligeiramente.

 e neste ambiente quente e único, chego a acreditar que és meu.
Alma

6 comentários:

Luna disse...

único e belo este momento!

Gosto muito, muito!

Parabéns à Alma!

Que sejam regulares na nossa vida momentos assim :)

Grata pela partilha :)

ah,também gosto da foto :)

Anónimo disse...

Do que li da Alma, até hoje, este texto foi dos que gostei menos.
Desculpe, António Maia, a minha franqueza, sei que o Sr. se limita a partilhar connosco os escritos desta poeta.
Comparado com outros textos, achei que este não nos arrebata da mesma maneira, embora não esteja mal escrito.
Jacqueline

antoniomaia disse...

o senhor António Maia, anónimo Jacqueline, é o responsável pela edição dos textos da Alma, agradeço e peço verdade nos comentários, mas o único responsável sou eu, por favor...
então e já veio do Canadá? foram boas as férias?
Jacqueline, tenho de fazer melhor, mas deve ser desse tempo, sinto-me ainda menos inspirado :) peço desculpa
e obrigado pela visita
venerando-a

antoniomaia disse...

Luna, obrigado pela fidelidade!
jinhos

Anónimo disse...

António Maia, está enganado, não fui ao Canadá mas sim à Bélgica. Passei lá uns bons dias, sim senhor.
Ainda bem que não ficou aborrecido com o meu comentário mas costumo ser sempre sincera. Sei que é um dos meus defeitos.
Espero que continue a editar muitos poemas da Alma porque nos dão muita alegria e nos enchem a alma de fantasia. E o que é a VIDA SEM UM POUCO DE FANTASIA, NÃO É?
Um abraço
Jacqueline

Anónimo disse...

também n é dos meus preferidos.

:)