terça-feira, 2 de outubro de 2012

despojada do que não me é...



hoje, entrei pela tua porta deixando lá fora tudo quanto pudesse falsear o ser que sou.
entrei pela minha pele, na tua casa, em ti, qual surpresa de uma decisão de quem se cansou da hipocrisia alheia, envolvente, sufocante...
hoje, aqui, sou só eu, comigo. contigo.
esta é a cor da minha pele, dos meus olhos, do meu cabelo, as minhas formas... eu como sou.
aninhar-me-ei, enrolada, num canto do teu sofá, do teu leito, da tua vida. e não me perguntes nada. dá-me só o silêncio ou começarei a chorar.
sabes, às vezes é necessário esquecermo-nos de nós próprios para esquecermos os outros, para esquecermos as injustiças a que eles nos sujeitam…
e, se contigo, sou eu e completa, deixa que assim seja, em silêncio. abraça-me antes, devagar, rodeia-me os ombros, deixa-me afundar o rosto no teu peito, cheirar-te como ser real…


sim, não nego. talvez não consigamos evitar o desejo mas que ele nos invada lentamente, como num roçar, num calor envolvente, de rosto e beijo, de mãos e braços, de dedos e pele inocente.
depois, se quiseres ser terra em mim, invadindo-me, tapando-me, protegendo-me, sê, mas completamente. não deixes que outros me alcancem. não aguentaria outro toque que não o teu, outra vontade dominando-me que não a tua.
e quando o grito se soltar das gargantas e continuarmos a ser só nós em um, sem outros, poderei dizer-te que não preciso de roupa nem de disfarces pois contigo sou quem me conheço.                        Alma

6 comentários:

Maria Rocha disse...



gosto do texto... não muito, quase nada da imagem

foi a minha opinião

Sorriso

Luna disse...

Gosto muito! Com este texto voo, sonho! Tão lindo!

Grata à Alma

antoniomaia disse...

Maria Rocha, obrigado pela tua visita e pelo comentário... acho as imagens excelentes pela entrega, é alguém que não é virgem, isto é sabe o que é entregar-se e portanto dum erotismo saboroso :) além de gostar também muito da luz e sombras que o fotógrafo procurou dar :) adoro também o muito branco amarrotado dos lençóis e dos cabelos dela...
daquela cabra ahahahah é uma verdadeira cabra a mulher ahahah LINDA!!!!!!
Maria, volta mais vezes
venerando-te
am

antoniomaia disse...

Luna, também gosto muito, também me faz voar :) até já caí e feri uma asa :) é tão bom voar, tenho até pena dos humanos que vivem agarrados ao chão que mais parecem árvores ahahah
obrigado,sempre, pelo teu comentário
um beijinho bom
venero-te
am

Maria Rocha disse...



pois...

sensibilidades, afinal

a escrita apura-se ... cresce ... também não conseguiria escrever assim, de novo

Obrigada

am

Anónimo disse...

Não me descreveria melhor...pareces conhecer-me tão bem...obrigada minha alma!!! Continua está lindo.